Pular para o conteúdo principal

Visando preservar a História e a Cultura Marítima no Brasil, o Departamento Cultural do Abrigo do Marinheiro marcou presença na abertura da Feira Rio Oil & Gas 2018, apresentando o projeto MuMa, que será o primeiro Museu Marítimo do Brasil. Além do estande exposto até o fim do evento, no dia 24, data da abertura da feira, o Vice Almirante José Carlos Mathias, Diretor do Departamento de Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha, e a Museóloga Margareth de Moraes, Diretora da MM Museologia e Projetos Culturais, apresentaram publicamente os projetos arquitetônicos e museológicos aos visitantes do evento.

 

Durante a palestra, o Vice Almirante destacou a importância do projeto para a sociedade, e também para as grandes indústrias que atuam na área marítima, que contarão sua história por meio do espaço: “A maior parte do Petróleo e Gás do Brasil é retirada da área marítima. A Marinha do Brasil, que sempre esteve presente e protegendo essa área econômica tão importante do nosso país, pretende resgatar sua história com o atual projeto. Em nosso Museu Marítimo, não poderíamos deixar de ter o espaço para essa área da indústria de energia no Brasil”, destacou.

 

O Museu Marítimo, que será construído no Espaço Cultural da Marinha, pretende levar a população toda a história e trajetória da Marinha Mercante, e de todos os demais componentes do poder Marítimo no Brasil. “O nome do museu transmite a ideia, que é contar para a nossa população, carente de informações a respeito dessa área, a trajetória da Marítima-Logística e de todos os componentes do poder marítimo. No Museu, teremos a oportunidade de envolver todas essas áreas que compõe o poder marítimo”, ressaltou o VA José Carlos Mathias, que reforçou conceitos de acessibilidade e sustentabilidade que norteiam todo o projeto. “Teremos um Museu totalmente sustentável. Não terá elevadores, e mesmo assim terá acessibilidade completa. Apesar de ser um projeto moderno, é todo permeado do conceito verde”, concluiu.

 

Acompanhando a revitalização da Zona Portuária do Rio de Janeiro, e também os demais Museus Contemporâneos, a Museóloga afirmou a importância de um planejamento que contextualize o MuMa em harmonia com os demais presentes no local. “É um grande desafio. A revitalização da Zona Portuária foi alavancada pelos próprios equipamentos culturais da região, fazendo com que o nosso projeto crie uma nova forma. A Marinha se propôs a construir um Museu que contemple serviços e espaços compatíveis com um Museu Contemporâneo, que esteja a altura dos demais equipamentos da região, como o Museu de Arte do Rio (MAR) e o Museu do Amanhã”.

Saiba mais sobre o MuMa

O Museu Marítimo do Brasil (MuMa) será construído no píer do Espaço Cultural da Marinha. Trata-se de um projeto – ainda em fase de captação de recursos – que enriquecerá ainda mais o Boulevard Olímpico, efervescente polo de entretenimento na Zona Portuária do Rio de Janeiro. Em suas instalações, está prevista uma exposição de longa duração abordando a História Marítima Brasileira e assuntos como Ciência, Tecnologia, Arte e simbolismo do mar dentro do imaginário humano. O espaço ainda contará com loja, auditório, área educativa, restaurante e um deslumbrante mirante onde o visitante poderá apreciar os contornos da Baía de Guanabara.

Com previsão para 2022, o projeto do Museu Marítimo propõe uma extensão da Orla Conde e, também, a volta do Cais da Alfândega. Por isso, idealizou-se uma rampa suave, com inclinação de 8% e 280 metros de extensão, que atingirá 12 metros de altura e levará até o fim do píer. Dali, será possível contemplar o Museu do Amanhã, a Casa França-Brasil, e pontos focais, como a Candelária e o eixo da Presidente Vargas.

Disponível à visitação em um futuro próximo, o MuMa já reafirma a vocação marítima do Rio e reforça a propensão do Centro do Rio para cultura e lazer.

Para mais informações: (21) 2233-9015.

Textos e Foto: Leonan Nicolas Soares